• Nutri Fabiana Jarussi

Exercício físico frequente altera profundamente o metabolismo

Que praticar exercício físico frequentemente, todo mundo sabe. Agora, que esse hábito pode reprogramar todo o metabolismo, talvez seja novidade.


Nosso organismo é uma engrenagem complexa, com produção gigantesca de substâncias e processos metabólicos ocorrendo o tempo todo. Uma série de tarefas que precisam ser cumpridas a todo momento. Agora imagina dar conta de tudo isso e ainda lidar com fatores que podem alterar esse mecanismo, seja melhorando essas funções ou dificultando os processos. Ufa... Pesquisadores das mais diversas áreas se dedicam diariamente para entender melhor esse mecanismo divinamente planejado. Pesquisadores da Universidade de Sidney (Austrália) ávidos por entender melhor essa máquina, realizaram uma pesquisa com marcadores nunca acompanhados antes. Publicado na Cardiovascular Research, uma revista da Sociedade Europeia de Cardiologia, o estudo foi o primeiro a avaliar os efeitos metabólicos do exercício e, ao mesmo tempo, controlar as diferenças entre os participantes ao nível da dieta, estresse, padrões de sono e ambiente de trabalho. Para isso, os pesquisadores acompanharam 52 soldados australianos e avaliaram cerca de 200 metabólicos no sangue, antes e depois de um programa de exercícios aeróbicos e de força de 80 dias, e as relacionaram com alterações no estado físico. Recrutaram soldados, porque diferente de pessoas civis, os militares vivem em ambiente relativamente controlado. Passam a boa parte do tempo confinados, se alimentando das mesmas comidas, praticando os mesmos treinos e tendo basicamente o mesmo padrão de sono. Assim, foi possível verificar realmente a magnitude do exercício. Nós, que vivemos fora das paredes do quartel, temos a nossa rotina influenciada por vários fatores, sendo difícil alcançar uma população com hábitos homogêneos.  Pois bem, veja os principais achados: ▶️ Redução de 9x na concentração de malonato (uma substância envolvida no acúmulo de gordura corporal). Os pesquisadores acreditam que os músculos passaram a recorrer mais a essa fonte de energia, ou seja, músculos treinados usavam muito mais combustível, por exemplo, gordura, do que o revelado anteriormente. ▶️ Maior relaxamento dos vasos sanguíneos. Os programas de treinos elevaram a presença de arginina e outras partículas ligadas à fabricação de óxido nítrico no sangue. A molécula dilata as artérias e veias, o que reduz as chances de hipertensão arterial, AVC e infarto. ▶️Humor em alta! Ir à academia, segundo mostram outros estudos, gera endocanabinoides, neurotransmissores que regulam o humor. Nesse estudo, os pesquisadores concluíram que os exercícios frequentes reduziram a produção destes. Mas a notícia não é ruim. Eles acreditam que a sequência de treinos faça o cérebro aproveitar melhor os endocanabinoides, ou seja, alegria lá em cima! ▶️ Os organismos respondem de forma diferente. O estudo mostrou que os indivíduos com maior concentração de ácido dimetilguanidino valérico no sangue apresentaram efeitos reduzidos com a prática esportiva rotineira. O estudo ajuda a entender o motivo de algumas pessoas não responderem tão bem ao esforço físico. ▶️ Proliferação de Bactérias intestinais do bem: Taxas altas da substância I3P encontradas entre os participantes acusaram a proliferação de bactérias intestinais capazes de turbinar o sistema imunológico e minimizar processos inflamatórios E aí? Vamos levantar do sofá ? Seja cada dia mais ativo e ajude seu corpo a funcionar plenamente. Escolha o exercício que mais gosta, coloque seu tênis e mexa-se. E se não puder ir à academia, faça uso dos inúmeros aplicativos de exercício disponíveis e faça em casa! Ou aproveite as inúmeras possibilidades de mexer seu corpo ao ar livre.

Nosso organismo é uma engrenagem complexa, com produção gigantesca de substâncias e processos metabólicos ocorrendo o tempo todo. Uma série de tarefas que precisam ser cumpridas a todo momento. Agora imagina dar conta de tudo isso e ainda lidar com fatores que podem alterar esse mecanismo, seja melhorando essas funções ou dificultando os processos. Ufa... Pesquisadores das mais diversas áreas se dedicam diariamente para entender melhor esse mecanismo divinamente planejado. Pesquisadores da Universidade de Sidney (Austrália) ávidos por entender melhor essa máquina, realizaram uma pesquisa com marcadores nunca acompanhados antes. Publicado na Cardiovascular Research, uma revista da Sociedade Europeia de Cardiologia, o estudo foi o primeiro a avaliar os efeitos metabólicos do exercício e, ao mesmo tempo, controlar as diferenças entre os participantes ao nível da dieta, estresse, padrões de sono e ambiente de trabalho. Para isso, os pesquisadores acompanharam 52 soldados australianos e avaliaram cerca de 200 metabólicos no sangue, antes e depois de um programa de exercícios aeróbicos e de força de 80 dias, e as relacionaram com alterações no estado físico. Recrutaram soldados, porque diferente de pessoas civis, os militares vivem em ambiente relativamente controlado. Passam a boa parte do tempo confinados, se alimentando das mesmas comidas, praticando os mesmos treinos e tendo basicamente o mesmo padrão de sono. Assim, foi possível verificar realmente a magnitude do exercício. Nós, que vivemos fora das paredes do quartel, temos a nossa rotina influenciada por vários fatores, sendo difícil alcançar uma população com hábitos homogêneos.  Pois bem, veja os principais achados: ▶️ Redução de 9x na concentração de malonato (uma substância envolvida no acúmulo de gordura corporal). Os pesquisadores acreditam que os músculos passaram a recorrer mais a essa fonte de energia, ou seja, músculos treinados usavam muito mais combustível, por exemplo, gordura, do que o revelado anteriormente. ▶️ Maior relaxamento dos vasos sanguíneos. Os programas de treinos elevaram a presença de arginina e outras partículas ligadas à fabricação de óxido nítrico no sangue. A molécula dilata as artérias e veias, o que reduz as chances de hipertensão arterial, AVC e infarto. ▶️Humor em alta! Ir à academia, segundo mostram outros estudos, gera endocanabinoides, neurotransmissores que regulam o humor. Nesse estudo, os pesquisadores concluíram que os exercícios frequentes reduziram a produção destes. Mas a notícia não é ruim. Eles acreditam que a sequência de treinos faça o cérebro aproveitar melhor os endocanabinoides, ou seja, alegria lá em cima! ▶️ Os organismos respondem de forma diferente. O estudo mostrou que os indivíduos com maior concentração de ácido dimetilguanidino valérico no sangue apresentaram efeitos reduzidos com a prática esportiva rotineira. O estudo ajuda a entender o motivo de algumas pessoas não responderem tão bem ao esforço físico. ▶️ Proliferação de Bactérias intestinais do bem: Taxas altas da substância I3P encontradas entre os participantes acusaram a proliferação de bactérias intestinais capazes de turbinar o sistema imunológico e minimizar processos inflamatórios E aí? Vamos levantar do sofá ? Seja cada dia mais ativo e ajude seu corpo a funcionar plenamente. Escolha o exercício que mais gosta, coloque seu tênis e mexa-se. E se não puder ir à academia, faça uso dos inúmeros aplicativos de exercício disponíveis e faça em casa! Ou aproveite as inúmeras possibilidades de mexer seu corpo ao ar livre.

Tel: (19) 97116-1321

  • White Instagram Icon
  • White Facebook Icon
  • Spotify - Círculo Branco
  • Branca ícone do YouTube

© 2020 por Fabiana Jarussi. Direitos reservados.